mergulhem-se

segunda-feira, 14 de junho de 2010

- Mario de Andrade, Poesia

Esse homem que vai sozinho
Por estas praças, por estas ruas,
Tem consigo um segredo enorme
É um homem.

Essa mulher igual às outras
Por estas ruas, por estas praças,
Traz uma supresa cruel,
É uma mulher.

A mulher encontra o homem,
Fazem ar de riso, e trocam de mão,
A surpresa e o segredo aumentam.
Violentos.

Mas a sombra do insofrido
Guarda o mistério na escuridão.
A morte ronda com sua foice.
Em verdade, é noite.


(M. Andrade, Poesias Completas, ed. Vila Rica)

3 comentários:

Anônimo disse...

Me doeu.

Ramsay disse...

Ju, acerta ali o "poesias completas" que saiu sem o T

Julia disse...

Corrigido. Obrigada