mergulhem-se

terça-feira, 3 de agosto de 2010

como se já não bastasse o amor.... poemas


Confissão - Manuel Bandeira


Se não a vejo e o espírito a afigura,
Cresce este meu desejo de hora em hora...
Cuido dizer-lhe o amor que me tortura,
O amor que a exalta e a pede e a chama e a implora.

Cuido contar-lhe o mal, pedir-lhe a cura...
Abrir-lhe o incerto coração que chora,
Mostrar-lhe o fundo intacto de ternura,
Agora, embevecida e mansa agora...

E é num arroubo em que a alma desfalece
De sonhá-la prendada e casta e clara,
Que eu, em minha miséria, absorto a aguardo...

Mas ela chega, e toda me parece
Tão acima de mim...tão linda e rara...
Que hesito, balbucio e me acobardo.

3 comentários:

Trak Amorim disse...

bandeira como sempre sabe muito bem como dizer as coisas, um dos poetas que eu mais gosto.

Julia disse...

Eu também. Gosto tanto que tem que ser em doses homeopáticas

Trak Amorim disse...

rs como tudo que a gente gosta muito. Esse poema eu achei sensacional, é um chamado potente, uma confissão belissima