mergulhem-se

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Obsceno Abandono: Amor e Perda, Marilene Felinto, Novela

Marilene nesta novela abre o corte mais profundo e cavuca expondo todas as entranhas da personagem. Mergulha no chão chão chão fundo do abandono e dilacera tudo o que sente, é sangue, é sexo, é cortante, é doído e é infernal, terrível também. A personagem se abre toda em ódio, amor, abandono, brutalidade. Se entrega e se queixa de maneira completamente inteira - até assustadora. Dilacerar-se a partir do abandono do outro, da não correspondência, do absurdo de não tê-lo, da impotência, da injustiça, da... É disso que fala esta novela. É preciso abrir os olhos e esquecer-se dos preconceitos, clichês ou não, entender que os sentimentos são assim, feios, fundos, lindos, ridículos, absurdos, possessivos, egoístas até, aqui estão escancarados da forma mais crua e densa. Mergulhem-no, mergulhem-nos, mergulhem-se.


(escultura de camille claudel)
"Está machucando? - O doutor perguntou tão perto de mim que era erótico.

Tinha uma voz suave que me arrepiava.

- Se estiver doendo, levante a mão, está bem? Posso anestesiar, se você preferir.

"Doendo". Se ele soubesse o que é dor. Crateras e rombos e vazios e fisgadas de dores profundas era o que não me faltava, é o que não me falta.
O cuidado, a delicadeza, aquele fio de voz, tudo me dava vontade de chorar como uma menina. Por pouco eu não respondi:

- Anestesia, não. Eu vim aqui pra sentir dor física mesmo. Dessas de quando se abrem as crateras e se expõem os nervos inflamados dos dentes. Quero ver se, desse modo, me curo da outra, uma dor abstrata que estou sentindo não sei onde."
Obsceno Abandono, pág 58


Obsceno Abandono: Amor e Perda
Marilene Felinto
Ed Record
80 págs





Marilene Felinto (1957) é uma escritora, tradutora, cronista, feminista, brasileira, de Recife.

6 comentários:

Eu? disse...

nossa... que rápida!

ângela f. marques disse...

:))))

Obrigada pelas palavras. e bendita sorte, porque adorei vir aqui. só vi em diagonal e tenho tido pouco tempo para visitas, mas quero voltar com mais tempo.
perce-me FANTÁSTICO!

ângela f. marques disse...

e este texto me cativou completamente. queria poder ler o livro...

Aninha Terra disse...

Menina não conheço esse livro, mas deu vontade de ler, aliás hoje visitei a nova biblioteca aqui de Sampa, uma delicia! recomendo!!!
peguei já cinco livros deliciosos...
bjos

Katia Mota disse...

Estava buscando informações desse livro quando caí no seu blog por acaso. O que me motivou a lê-lo. Penso que todo Abandono é Obsceno.

Julia disse...

[do houaiss] obsceno: que se compraz em ferir o pudor; que choca pela falta de decoro, pela vulgaridade, pela crueldade;...


e às vezes só o termo obsceno nem consegue permear as obscenidades de alguns abandonos.

Beijo