mergulhem-se

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Fantasma - Francisco Slade, Romance


Fantasma conta a história de um escritor anti-social e melancólico, João, e o personagem da peça que este primeiro está escrevendo, Arto. As duas histórias se misturam e se intercalam ao longo do livro quando uma companhia de teatro resolve encenar a peça. Em um dos capítulos deste livro, além de mil outras coisas, tem a descrição de uma trepada tão (....forte, impactante, marcante, engulho, tesão...?) sem palavra que estou que só por isso já me valeu a pena ter lido. O livro em si, demora um pouco pra pegar, começa lento e é preciso fazer um esforço para continuar, mas em certa parte do meio engrena numa velocidade onde não é possível parar mais. Além de ter me deixado com verdadeira repugna, constrangimento, em alguns momentos.

"Até que ponto se pode esquecer de si mesmo... E lembrar é como alguém que volta, um desconfortável encontro na rua com alguém que não se vê há muito tempo; a intersecção de dois espectros. Encontrar-se assim repentinamente consigo mesmo, com aquele que se julgava morto."(...) "Tenho medo, medo de ficar triste como eu realmente sou na frente de alguém. Preciso parar a minha vontade de chorar - afinal, que homem pode chorar o tempo todo, cada segundo?"(...) (Fantasma, página 146)

Fantasma
Francisco Slade
Editora 7letras
192 páginas


Francisco Slade (Rio de Janeiro, 1978) é um escritor brasileiro, formado em cinema. Já publicou Domingo (2004) e Fantasma (2008), ambos pela 7Letras.

2 comentários:

Rebecca Loise disse...

Juba dos céus.

factotum disse...

sazita foi um absurdo de engraçado